Tudo o que você precisa saber sobre cultura maker nas escolas

Apesar do nome moderno, cultura maker não é um conceito novo. O elemento novidade quem vem atrelado à expressão está na descoberta dos benefícios que o conceito pode trazer na educação das crianças e jovens.

Vamos entender um pouco mais sobre o que é cultura maker e em como faz sentido incrementar os moldes tradicionais de ensino com ela.

O que é cultura maker?

Cultura maker, ou Movimento Maker, como também é conhecida, é uma extensão do conceito “Faça Você Mesmo”, que vem do inglês “Do it Yourself” (DIY).

A base da cultura maker é a ideia de que qualquer pessoa pode construir, consertar, alterar, fabricar, melhorar, criar vários tipos de objetos com as suas próprias mãos.

Como mencionado, a cultura maker já existe há muito tempo e deu origem a muitos equipamentos como os PCs, nossos computadores pessoais. Isso mesmo! Todo projeto e idealização dos PCs saíram de locais como o Clube dos Computadores Caseiros ou o Homebrew.

Aliás, foi em locais como esses que o fundador da Apple Steve Jobs e seu fiel escudeiro, Steve Wozniak, apresentaram o primeiro protótipo da Apple.

Com a popularização desses clubes “caseiros”, outras empresas como a Intel e a Samsung resolverem incrementar seus processadores para facilitar a vida dos makers e, assim, estimular o movimento.

A cultura maker na educação

A tecnologia trouxe possibilidades infinitas para todos os segmentos de mercado. Porém, é inegável os benefícios que ela trouxe à educação.

Com o acesso à informação cada vez mais simples e fácil, fomos capazes de desbravar caminhos que até pouco tempo atrás pareciam impossíveis.

Pedagogos a frente de seus tempos, como Maria Montessori (nascida em 1870), já davam indícios de que o rumo a ser tomado era o do protagonismo do aluno.

Empoderar as crianças para criar ambientes em que elas mesmas se autoestimulem a aprender é abrir um mundo novo de possibilidades e garantir que o aprendizado seja internalizado e levado para a vida toda.

Simplificando, o processo é tão natural que é como se a criança soubesse exatamente o que ela tem que fazer dentro do ambiente de aprendizado, sem que ninguém mostre a ela.

O que a cultura maker tem que o ensino tradicional não tem?

Em primeiro lugar é ensinar ao aluno a questionar o que está aprendendo. Especialistas da área acreditam que a educação maker pode formar adultos que conseguem ver as coisas além das aparências, a saírem de suas zonas de conforto e a pensar fora da caixa.

O modelo tradicional bombardeia crianças e jovens com teorias sem possibilitar que as mesmas possam ser testadas e comprovadas. Ler que cientista X testou algo não é o mesmo que fazer o teste você mesmo.

Ler que se ligarmos o ponto A ao ponto B resultará em uma corrente elétrica que vai acender uma luz sem precisar de um fio não é o mesmo que fazer o teste você mesmo.

Entendem onde quero chegar? Esse tipo de experiência treina o cérebro para que a teoria passe a fazer mais sentido quando combinada à prática, facilitando – e muito – o aprendizado.

Os laboratórios makers nas escolas brasileiras

Embora os benefícios da cultura maker na educação sejam compreendidos e aceitos, o ideal é que as escolas tenham uma estrutura adequada para acomodar laboratórios em que os alunos possam desenvolver a cultura maker.

Por isso, apenas alguns colégios de alto padrão oferecem laboratórios bem equipados com dispositivos como impressoras 3D, entre outros. Outros colégios, ainda, contam com a participação de professoras do maior e mais tradicional instituto de tecnologia do mundo, o MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts).

Mas o movimento maker também está fora dos laboratórios. Incentivar e reforçar o faça-você-mesmo é o que garante uma participação mais ativa e de maior engajamento dos alunos em geral.

Para entender melhor a cultura maker e conhecer os principais colégios que já adotaram a metodologia, assista o vídeo abaixo:

Preparo e orientação são fundamentais para a cultura maker

O fato de não contar com uma estrutura ideal, entretanto, não quer dizer que a cultura maker não poderá ser incentivada em outros colégios.

Professores preparados para orientar os alunos podem virar o jogo e contribuir para que essas crianças de hoje sejam os novos líderes do amanhã.

O filme Spare Parts, baseado em uma história real, é sobre exatamente isso. O filme conta a história de quatro alunos latinos de um bairro de periferia dos Estados Unidos e que estudam em uma escola pública.

Após formarem um clube de robótica na escola com a ajuda de um engenheiro desempregado que conseguiu um emprego temporário como professor substituto, eles entram em um concurso do MIT, concorrendo com as principais universidades dos Estados Unidos.

Assista o trailer do filme aqui.

E o que acontece agora?

Ainda aos pequenos passos, a visão da educação brasileira está começando a seguir por uma nova trilha em que permitir que o aluno descubra e desenvolva seus potenciais seja a meta principal de ensino.

É hora de compreender as novas metodologias que estão chegando para otimizar o aprendizado e formar adultos preparados para todas as situações de suas vidas.

Texto publicado aqui.

 

Posts recentes

Comentários

    Arquivos

    Categorias

    Meta

    Certificação em produção de conteúdo para web

    Be First to Comment

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *